quinta-feira, outubro 11, 2007

Fados

Carlos Saura tem uma longa ligação à música, noemadamente ao flamenco, que foi palco de muitas das suas obras. A sua trilogia dedicada ao tema (Bodas de Sangre, Carmen e El Amor Brujo) é disso prova. Anos mais tarde volta à carga com Sevillanas e Flamenco de Carlos Saura. Este último título começa uma outra trilogia dedicada a estilos de música e que culmina com este Fados, tendo passado por Tango, No Me Dejes Nunca.
Fados não é um documentário, não é uma abordagem extensiva sobre a música, não tenciona decifrar, desconstruir e segmentar a história e percurso do fado em Portugal. Fados é uma homenagem.
Não interessa se há ou não outros fadistas que poderiam estar representados, se as teses sobre a origem do fado estão ou não correctas, se há - que as há - falhas. O que interessa é um filme de uma simplicidade desarmante, sem nunca ser simplista. Saura filma o fado na sua génese, a música, a canção, mas com uma abordagem global, sem os típicos maneirismos que se costumam associar, num palco assumido, brincando com as luzes, as cores, as imagens e a dança que os enquadra. Saura dá-nos tempo para redescobrir novos e velhos conhecidos, para ouvir e sentir o fado.
Como homenagem é emocionante, ouvir o velho Marceneiro a cantar numa mesa de uma taberna, ou Mariza em dupla luso-castelhana a cantar o Meu Fado, passando pela sentida vénia de Caetano a Amália, ou pela brilhante ligação de Chico Buarque à revolução de Abril, Fados deixou-me de lágrimas nos olhos. Não creio que se fosse espanhol ou alemão acontecesse o mesmo, mas não tenho dúvidas que sairia da sala com vontade de ver, ouvir e conhecer novos fados...

2 comentários:

particula-RG disse...

Estou muito curiosa para ver e ouvir estes FADOS!

pinky disse...

parece maravilhoso, acho que võu ver e de certeza que vou comprar essa "história" fadista