quinta-feira, outubro 09, 2008

Burn After Reading

Os irmãos Cohen estão de volta e desta vez trazem companhia de peso, George Clooney, Brad Pitt, Frances McDormand, John Malkovich, Tilda Swinton, e até uma breve aparição de J.K. Simmons, fazem deste um elenco de luxo.

É um regresso às comédias negras que fizeram a carreira dos Cohen, na senda de Fargo ou Barton Fink, mas com um tom mais leve, a fazer lembrar os recentes LadyKillers ou O Brother Where Art Thou? Mas será que esta mistura funciona?

O filme é, antes de mais, um filme non-sense, com um humor peculiar e constante, e um argumento que apenas alguem como os Cohen nos conseguiria fazer engolir. Como diz um oficial da CIA a um subordinado que acaba de lhe fazer um relatório: come back when it all makes sense...

O caos em que o espectador se deixa mergulhar é divertido e perturbador, a loucura é contagiante e para isso bem ajuda a performance do elenco, com alguns actos de coragem, como a exposição de Frances McDormand a todos os mais pequenos defeitos fisicos que tem, analisados em grande plano logo na sua cena inicial.

O problema é que perdidos no delirio, os Cohen ficaram sem saber o que fazer com a fita, que ao fim da primeira hora deixa de ter ideias e sucumbe à tentação do vale tudo, num efeito de deixa andar que, em última instância, acaba por alienar o espectador. Prova disso é a forma atabalhoada e apressada com que acabam este Destruir Depois de Lêr, que, seja como for, está ainda vários pontos acima da mediania que domina as salas de cinema por esta altura.

2 comentários:

polegar disse...

por acaso "engoli" a história sem notar essa falta que sentes de resolução do final do filme. melhor: as cenas finais de gabinete da CIA foram para mim mais uma barrigada de risa. entrei pronta para non sense e o pratinho foi bem servido ;)

Danies disse...

E é por essas e por outras que o mundo não tomba... eu simplesmente detestei o filme e fiz, juntamente com a pessoa que foi comigo, o que há muito não fazia - saí do filme a meio.
Graças sem graça, personagens "meia bola e força". cada um para seu lado, um argumento de fugir. Também pode acontecer não estar nos meus dias... se há coisa que não me falta é sentido de humor... que, a meu ver, falta e de que maneira no filme. E porque teimam em dizer que o George Clooney é actor?

"M" tens de me explicar o que se vê no filme que eu (e o meu amigo) não vi.
Abraços
Daniel