sexta-feira, abril 20, 2007

Il Caimano + História Trágica com Final Feliz

O último filme de Nanni Moretti é antecedido em Portugal pela curta metragem de animação História Trágica com Final Feliz, um conto terno de Regina Pessoa. É uma boa e rara iniciativa, o lançamento em sala de curtas metragens, forma cinematográfica ignorada por distribuidores, crítica e público, normalmente apenas acessivel em mostras ou festivais, como é o caso do IndieLisboa. Aqui foi preciso esta pequena história vencer perto de quatro dezenas de prémios e menções honrosas dos EUA à China para poder aparecer no circuito comercial normal. Não devia ser preciso, existem centenas de curtas portuguesas todos os anos e um sem número mundialmente, que podiam ser exibidas comercialmente, seja em pacote, seja como abertura de uma longa metragem. Seja como for, fica anotado o facto raro que foi poder ver esta pequena preciosidade.

Quanto a Moretti regressa cinco anos depois do genial La Stanza del Figlio (O Quarto do Filho) , com Il Caimano (O Caimão)mas num tom um pouco mais leve, sem no entanto atingir os niveis cómicos de Aprile (Abril) ou Caro Diário.

Um produtor de exploitation movies está à beira da falência. Perdeu o seu único realizador e com ele a hipótese de fazer um filme e voltar à mó de cima. É com uma escritora nova, inexperiente que lhe entrega um argumento, que ele vê a hipótese de salvação. O problema é que esse filme é uma crítica carregada a Silvio Berlusconi, o que practicamente inviabiliza a sua concretização. Pelo meio temos a vida familiar dos dois personagens principais, ele cinquentão, acabado, a meio de um divórico de uma mulher que nunca deixou de amar, e ela, jovem, no início de vida, cheia de ideais e esperanças.
Não achei genial, mas tem um equilibrio agri-doce interessante. É o retrato de uma Itália vergada pelo ideais reaccionários de um homem que, na cena final, é visto como um monstro, mal se lhe tira a capa de "palhaço" de quem se goza.
Um filme que merece ser visto com atenção, mais aterrador do que parece à primeira vista.

1 comentário:

100 Sentidos disse...

Eu começo a achar que tu deves escrever críticas de cinema para algum lado...